Tag Archives: Design Estratégico

The international conference What Design Can Do (WDCD), established in Amsterdam to show how design can be a catalyst for change, arrives for the second time in Sao Paulo. There will be 20 speakers from various countries will perform at FAAP for two days (13 and 14 December).

THE INTERNATIONAL CREATIVE VIBE RETURNS TO BRAZIL

Incredible! WDCD returns to São Paulo for a fresh edition of the best conference on design’s impact on society.

WDCD Live São Paulo 2016 is scheduled for 13 & 14 December 2016 at Teatro of the Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), with presentations around the topics of urban issues, cultural consciousness, communication and refugees. For this second edition we have some amazing speakers including Dutch architect Jacob van Rijs of the world famous architecture firm MVRDV, Brazilian super-chef Rodrigo Oliveira, Britain’s funniest experience designer Sam Bompas of the design duo Bompas & Parr and last but not least from Dakar the flamboyant and most inspiring fashion designer Selly Raby Kane.


A conferência internacional What Design Can Do (WDCD), criada em Amsterdã para mostrar o design como um catalisador de mudanças, desembarca pela segunda vez em São Paulo. Serão 20 palestrantes de vários países que se apresentarão na FAAP durante dois dias (13 e 14 de dezembro).

A VIBE CRIATIVA INTERNACIONAL RETORNA AO BRASIL

Incrível! O WDCD volta a São Paulo para uma nova edição da melhor conferência sobre o impacto do design na sociedade.

O What Design Can Do São Paulo 2016 irá acontecer nos dias 13 e 14 de dezembro no Teatro FAAP, com apresentações sobre temas como questões urbanas, consciência cultural, comunicação e refugiados. Convidamos palestrantes fantásticos para esta segunda edição, incluindo o arquiteto holandês Jacob van Rijs; o super-chef brasileiro Rodrigo Oliveira; o mais divertido designer de experiências britânico, Sam Bompas, do duo Bompas & Parr; e, por último – mas não menos importante – a esplendorosa e mais inspiradora designer de Dacar, a estilista Selly Raby Kane.

Essa confusão sobre o verdadeiro valor que o Design Thinking gera para as empresas é de certa maneira normal, afinal a DT é relativamente novo por aqui e mesmo entre os consultorias/consultores existe um desalinhamento entre o que é a abordagem e o que a empresa pode ganhar com ela.

Uma vez uma dessas empresas nos procurou para projetar um novo serviço. Não por acaso, uma típica empresa ao melhor estilo “pirâmide“, como o Arne cita na entrevista dele. A cada etapa do projeto fizemos coisas que a empresa nunca tinha praticado na vida, como observar e entrevistar clientes; cocriar ideias junto com toda a equipe, inclusive o pessoal do atendimento, usualmente negligenciados do processo de decisão da empresa; e principalmente validar protótipos com clientes reais. Um verdadeiro choque na cultura hierarquizada e centralizada da empresa. Para os da base da pirâmide um choque, que foi como uma luz ao fim do túnel, uma chance de finalmente se sentir importante e valorizado pela empresa. Para os da ponta da pirâmide um choque de desconforto e ciúmes. Bom, no final do projeto o serviço foi criado, pela primeira vez na empresa, de forma colaborativa através de trabalho em conjunto e discussões tão ricas, que provocaram ideias de como mudar o serviço atual da empresa. Uma grande oportunidade de tornar a forma de trabalho da empresa mais humana e dessa forma, melhor, para começar a entregar serviços, que gerassem mais valor para os seus clientes.

Por esse exato motivo, sempre começo nossos cursos abertos e capacitações in company, dizendo que ao contrário do que é possível encontrar facilmente no Google, Design Thinking não é metodologia. Aliás, se fosse assim, a vida seria tão mais fácil, já que simplesmente aplicar o processo em qualquer empresa resolveria o problema. Mas no mundo real não é bem assim, porque as empresas enfrentam problemas complexos e elas mesmas são sistemas complexos. É preciso mais. É preciso uma nova forma de pensar, uma nova mentalidade.

Design Thinking é mindset! E mudança de comportamento e cultura só acontecem quando as pessoas vivenciam e valorizam uma forma alternativa e mais humana de pensar, se relacionar e agir.

Entrevista com o Arne feita pelo Design Decode.

Por EDUARDO LOREIRO, do Design Thinkers Group e Design Thinkers Academy Brasil